sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Conheça algumas enfermidades tratadas com a Maconha

A marijuana é uma benção da natureza, capaz de aliviar o stress da vida cotidiana de uma forma mais amena e segura que outras drogas, como álcool ou sedativos. O ingrediente com atividade biológica mais importante da maconha é o d-9-tetrahidrocannabinol (THC), que pode ser encontrado para uso oral ou intravenoso em muitos hospitais norte-americanos.
O THC pode ser utilizado de forma terapêutica para diferentes tipos de enfermidades.

Náusea e vômito associados à Quimioterapia:

Muitas drogas efetivas contra câncer provocam notórios efeitos colaterais: a destruição parcial do tecido epitelial acaba gerando náuseas e vômitos nos pacientes submetidos à quimioterapia. Estes reflexos acabam se tornando condicionados ao tratamento de tal forma, que, após algum tempo, basta a lembrança dos quimioterápicos para que os sintomas ocorram naturalmente. Desde 1975,
fizeram testes clínicos com a ingestão oral de THC em pacientes submetidos à quimioterapia. Os resultados foram satisfatórios: tanto a náusea quanto vômito diminuiam de intensidade e frequência nestes pacientes.

Emagrecimento associado com patologias

A primeira patologia que vem a cabeça, neste caso, é a AIDS: esta doença debilita fisicamente os pacientes, tornando-os fracos e muito magros. Entretanto, várias outras moléstias (como anorexia nervosa e depressão severa) provocam o mesmo efeito e várias drogas têm sido testadas para aumentar o peso e força física do paciente.
Como um dos efeitos colaterais do uso da marijuana é justamente o aumento do apetite, logo pensou-se que esta droga poderia ser útil para estes pacientes.

Síndromes de dores crônicas

Pacientes que sofrem de dores crônicas, como os portadores de fibromialgia se utilizam da Maconha, como uma forma analgésica, aliviando assim o continuo sofrimento.

Glaucoma

O uso da Maconha faz com que haja uma diminuição na pressão intraocular, fazendo com que assim ela seja um importante elemento no tratamento desta enfermidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário