sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Os dois lados da liberação da maconha entram em discussão em Joinville

Todo mundo está careca de saber que o álcool faz mal à saúde e que a maconha é uma droga proibida. Os males de um e de outro são discutidos por personalidades e especialistas há muito tempo e agora o debate chega a Joinville.

De um lado está a Marcha da Maconha, que será no domingo, às 16h20, com concentração em frente à Câmara de Vereadores.

Do outro, o 2º Congresso de Ex-dependentes Químicos, com três dias de duração, de sexta-feira a domingo, às 19 horas, na Assembleia de Deus, no bairro Vila Nova.

Os eventos não foram agendados em datas próximas propositalmente, dizem os organizadores, mas devem ajudar a população a refletir sobre a questão.

Os defensores da legalização da maconha dizem que o álcool não é ruim só para quem bebe. Pontuam que ele destrói famílias, tornou-se um vilão nos acidentes de trânsito e ainda cobra uma alta conta do sistema público de saúde. Mas é uma droga legal e seu comércio gerou uma indústria poderosa que movimenta a economia, rende impostos, dá lucro para empresas e empregos para quem quer trabalhar.

Os participantes da marcha dizem, ainda, que maconha também faz parte de um mercado que rende um bom dinheiro, mas na ilegalidade, e que em vez de impostos, gera propinas e, no lugar de empregos, o tráfico oferece aos jovens uma vida de crimes.

Já os que são contra a legalização concordam com todas essas afirmações, mas veem, justamente nelas, os motivos para não legalizar a maconha e usam os problemas do álcool como exemplo para não legalizar mais uma droga, o que é completamente fora de questão uma vez que efeitos de maconha e álcool são completamente distintos!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário