quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Cânhamo: uma das matérias primas das guerras napoleônicas

O famoso imperador da Revolução Francesa, Napoleão Bonaparte, foi responsável pera soberania da França na Europa, através das famosas guerras napoleônicas retratadas ao longo da história. Contudo, para quem ainda não sabia, uma destas guerras foi travada pelo domínio da produção de cânhamo, no ano de 1812.

Naquele ano, Napoleão Bonaparte investiu seu poderio para invadir o território russo, com seus objetivos já bem traçado, no qual o mais importante deles era dizimar as grandes plantações de cânhamo que sustentava a principal rival da França: a Inglaterra.

Os ingleses na época chegavam a importar cerca 60.000 toneladas de cânhamo, sendo que mais da metade da importação tinha origem russa, além de outros países como Itália, Holanda, Turquia e Indias Orientais, que ajudavam a suprir a demanda de cânhamo da terra da rainha.

Naquela época, as fibras de maconha eram um importante bem para as nações, haja vista que todas as embarcações, tanto de transporte, quanto de guerra, dependiam das fibras de Cannabis para o seu funcionamento, consequentemente era a matéria prima que fazia gerar todas as atividades destes povos, como transporte de cargas, comércio marítimo e principalmente a guerra.

A ganância de Napoleão Bonaparte em acabar com a Rússia e suas plantações de cânhamo era diretamente ligada ao posicionamento estratégico daquele país, que na época, além de maior fornecedor de fibras de cânhamo do mundo, também era o maior fabricante de velas, cordas e redes necessárias para a navegação das caravelas.

Na época existiam diferentes qualidades de cânhamo, porém três eram de excelente qualidade, entre os quais os mais conhecidos eram o São Petersburgo limpo e o riga limpo (ambos bons para propósitos gerais citados acima), o Marienburg real, que era notavelmente pequeno, branco e macio, e que servia apenas para lonas de alta qualidade. Da Itália também se chegava um cânhamo de boa qualidade, branco e fino.

Os soldados britânicos, em uma tentativa de conter os expansionistas franceses, bloquearam os portos da Inglaterra. Napoleão Bonaparte, que não dispunha de uma frota marítima tão poderosa como a inglesa, enxergava que uma das melhores maneiras de derrotar os ingleses seria impedi-los de terem acesso à matéria-prima que permite o “funcionamento” dos seus navios. Na tentativa de cumprir o seu objetivo, assina com o czar Alexandre I em 1807 o Tratado de Tilset, para impedir que o cânhamo chegue à Grã – Bretanha , para que pudesse aniquilar com a marinha britânica.

No entanto, a consequência desta tentativa de proibição do cânhamo não deu certo, gerando um mercado negro do produto, bem conhecido com o que vimos hoje, quando o assunto é a Maconha.

O fim de Napoleão acontece em 1814, com a assinatura em Março do Pacto de Chaumont entre a Prússia, Rússia, Reino Unido e Áustria, formando a Quádrupla Aliança, que acabou com os planos do imperador francês.

2 comentários:

  1. Só faltou o Hempadão no banner! Mas tudo bem... haha!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir