sábado, 29 de outubro de 2011

O caso da USP não é sobre drogas, é briga política!

O quebra-quebra entre alunos e PM no campus da USP continua rendendo bons bate papos em rodas de amigos, como principalmente nas redes sociais, que levam o tema lá em cima a todo o momento. No entanto, uma coisa me chama a atenção: o valor dado à questão da Maconha neste rolo todo. Estão tratando erroneamente a maconha como propulsora do conflito, quando na verdade este já estava anunciado há muito tempo. A questão definitivamente não é ou não deveria ser o uso de drogas, e sim as forças políticas que imperam dentro da USP e que tem suas ideologias contrarias ao do estado repressor.

Particularmente eu não acredito em policiamento dentro de Campus de qualquer universidade. Para ser mais exato, a seguranças destes locais devem ser terceirizadas, evitando assim este tipo de confronto. Sabemos que no âmbito de uma faculdade ou de uma Universidade existem coisas que são analisados pelo método cientifico. A universidade é um ambiente do saber, de discussões, para induzir a pessoa a ser um ser pensante. De forma alguma, em uma Universidade séria seria reprimido comportamentos que podem ser considerados retrógrados pela sociedade, mas que para o olhar científico talvez seja apenas uma mudança comportamental que está presente dentro de qualquer sociedade.

Paralelamente a este pensamento, a polícia militar é a forma de repressão do Estado, fazendo cumprir o que está descrito na lei. Por este motivo, em um lugar que se preza pelos métodos científicos sempre vai haver problemas com um órgão repressor, no caso a PM, que não está apta a fazer a segurança de um ambiente universitário.

Outrora, já tivemos inúmeros confrontos desta natureza. Não foi o primeiro e nem vai ser o último, até porque faz parte da índole do estudante universitário ser revolucionário e procurar mudanças dentro do sistema em que ele vive.

Contudo, o que mais me chateia nesta questão é ver o mau jornalismo imperando nas páginas dos jornais impressos e on line, tratando a maconha como o causador do caos, quando na verdade foi apenas o estopim de uma briga política que acontece já há muito tempo. As ideologias esquerdistas estão presentes na direção da USP e jamais vão permitir tal tipo de repressão. Definitivamente universidade não é lugar para isso;

Por último, quero deixar bem claro, que quando falo ideologia esquerdista, de forma alguma quero taxar de extrema-esquerda, como fez alguns blogs, como o do péssimo Reinaldo Azevedo, que chega até sugerir uma aliança entre narcotráfico no campus e a extrema-esquerda. Na verdade estão dando foco demais para o fato dos estudantes flagrados com maconha e se esquecendo das eternas brigas políticas que são o fato principal, afinal não eram todos que estavam na confusão que são maconheiros, vamos acordar pra realidade!

7 comentários:

  1. Na boa, você acredita então que uma Universidade é local para fumar maconha? Não seria um local para jovens estudarem e adquirirem conhecimento? Sou contrário a várias posturas da Polícia, mas nesse caso agiram de maneira correta. Inclusive, se existisse alguma seriedade, os alunos seriam expulsos da USP e ponto final.

    E a polícia não é apropriada para fazer a segurança no campus? E os inúmeros casos de sequestros, assaltos e estupros dentro da universidade? Quem seria mais capaz do que a polícia para coibir esse tipo de ação criminosa em qualquer local?!

    O movimento estudantil já foi violentamente reprimido pelas forças do Estado na Ditadura, e esse NÃO é o caso, e você deve saber disso. Se a única bandeira que a nossa alienada juventude levanta é a da maconha, os valores de quem estão invertidos?!

    ResponderExcluir
  2. Eu acredito que a universidade é um local que se resolve as coisas sem dar porrada. Eu sinceramente não vejo mal algum em fumar a maconha. Se fuma cigarro tb.

    A questão é como disse bem o professor da USP, as drogas nas universidades só são proibidas quando convém a terceiros, que se utilizam de politica.

    Agora se for pra baixar o pau, pode começar em todas as universidades do Brasil. Eu sou capaz de te afirmar que nunca vão conseguir acabar com esse "problema" da maconha dentro das universidades, assim como não conseguem acabar nem dentro das penitenciárias. O ato de fumar maconha já tinha que ter sido despenalizado há muito tempo.

    Não vejo problema algum em uma pessoa fumar maconha. Isso não influência em outros estudantes e nem atraplha quem quer estudar!

    Quanto a inversão de valores, digo que já existe há muito tempo! Basta ver como as pessoas são coniventes com os alcoolatras que matam cada vez mais no trânsito e demonizam a maconha!

    ResponderExcluir
  3. Acredito também que segurança dentro do Campus de universidade tem que ser terceirizado. A polícia não dá conta de ter uma relação saudável com o cidadão de bem ruas, vai dar conta de ter uma relação saudável em um ambiente científico, no qual os valores "éticos" e "morais" pregados pela sociedade hipócrita sinceramente não importa? Afinal, o olhar científico é completamente diferente do senso comum adquirido pelas experiências a quais nós somos expostos!

    ResponderExcluir
  4. Primeiramente acredito que seja um erro histórico ligar a polícia militar de hoje à Polícia da Ditadura, isso já acabou.

    Também não vejo problema algum na Maconha, inclusive apoio a disciminalização e até a legalização, porém, importa o que eu acho? Importa o que você acha? O que importa é o texto da lei, e a lei proíbe. A PM não está lá para levar em consideração as diversas opiniões a respeito do certo ou errado, mas sim fazer valer a Lei, que serve exatamente para organizar a sociedade.

    Discordo veementemente da postura de que universitários podem e devem fumar maconha. Universitários devem se portar como cidadãos comuns e estão sujeito às mesmas leis. Se estou fumando maconha na rua, estou sujeito a ser preso. Porque diabos na USP eu deveria fumar livremente?

    Agora o pior dos seus argumentos é o que diz que a PM não tem capacidade de fazer a segurança na Universidade. Basta analisar as quedas expressivas dos índices de criminalidade dentro dos portões da USP. Basta olhar para os números e verá a diferença.

    Inclusive, grande maioria dos alunos (de cursos úteis) é a favor da PM. O que não podemos dizer é que seja normal quebrar viaturas, agredir policiais e depredar a universidade pela bandeira maconha.

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo, ninguém quebrou viatura por bandeira de maconha. Aquilo ali foi o estopim de muitas coisas que acontecem na USP. Não se esqueça que reitoria e o comando de cima de uma universidade fazem política.

    A polícia não está preparada mesmo pra fazer segurança em ambiente científico. Fumar maconha é uma liberdade de escolha de cada um.

    Mesmo se você não quiser, vai continuar tendo que aguentar os maconheiros. Você e mais um bando de conservador! O problema é seus se vocês não gostam da maconha!

    ResponderExcluir
  6. Aqui o blog a favor da maconha, se quer comentar contra ou vir com discursos ultrapassados, favor comentar no blog do Reinaldo Azevedo que é proibicionista.

    ResponderExcluir
  7. Os alojamentos precisam ser demolidos. A USP precisa ser decentralizada.

    ResponderExcluir