sábado, 22 de outubro de 2011

Praça Sete: a Amsterdã brasileira no coração de BH

A Maconha sempre gerou e vai continuar gerando muita polêmica, muito por causa da desinformação e dos tabus erguidos pela sociedade nesses 40 anos de proibição. Com a proibição da substância, tudo que gira em torno deste comércio está as escondidas e beneficia apenas a marginais e traficantes. Como já não bastasse a falta de apoio em tratar o assunto de forma séria, como não há uma definição do que pode e o que não pode acaba gerando muitos conflitos principalmente entre usuários e sociedade.

Um exemplo bem claro disso acontece todos os dias em Belo Horizonte, capital do estado de Minas Gerais. A Praça Sete, uma das praças mais famosas da capital, com uma circulação de pessoas que chegam a exorbitantes 400 mil, virou um local de encontro para aqueles que gostam de queimar a sua erva sagrada. Como o assunto é polêmico, muita coisa que sai da boca dos comerciantes das redondezas de fato não tem nada haver, como por exemplo ligar o uso de Maconha à pequenos furtos da região, principalmente acusando os hippies que ali ficam vendendo seus produtos artesanais.

Sentado na calçada, no quarteirão fechado da rua Rio de Janeiro, um grupo de jovens prepara os cigarros de maconha sem ser incomodado. Poucos metros adiante, encostados no muro de um banco, outros três homens fumam o "baseado" tranquilamente. O cigarro passa de mão em mão e é dividido com outras pessoas que param no local, aparentemente, apenas para fazer uso da maconha. Apesar do cheiro forte e da fumaça, as pessoas passam pelo local parecendo não perceber o que está se passando.

De fato este não deveria ser o lugar mais certo para fumar, contudo, não é novidade para ninguém que a Praça Sete é a Amsterdã de Belo Horizonte, visto a grande concentração de pessoas que passam pelo centro da cidade. Infelizmente, quando se proíbe o uso de alguma substância e não se regulamenta, dizendo o que é certo ou o que é errado, você da margens para este tipo de acontecimento. Sendo bem sincero, já fui testemunha ocular de várias operações policiais no local e afirmo que dificilmente esta situação vai mudar, muito porque o maior problema de lá não são usuários de Maconha e sim o tráfico de armas.

Chega a ser revoltante, quando se vê pessoas formadas e se dizendo defensoras do direito do cidadão, representando o povo, jogando a culpa do caos da Praça Sete em cima dos usuários de Maconha. O que se conclui é que Maconha em mídia de grande porte gera Ibope, contudo, muita das vezes o assunto é tratado de forma superficial, pois poucos tem a coragem de falar as verdades sobre a Maconha.

4 comentários:

  1. Maconha é remédio melhor do que os das farmácias!

    ResponderExcluir
  2. Gostaria muito de saber onde em bh encontro a canabis pura para comprar alguém sabe me informar

    ResponderExcluir
  3. tmb to a procura chama no zap 31 99553-4833

    ResponderExcluir