domingo, 19 de fevereiro de 2012

Política do medo x Política da conscientização

O Missionários da Erva tem como objetivo a conscientização sobre a legalização e o uso de drogas, mas, ao tentar transmitir a informação, percebemos um grande obstáculo gerado pela errónea política de drogas a qual estamos submetidos hoje.

Atualmente, a política proibicionista incentiva projetos de prevenção às drogas, que podem ser desde palestras escolares, anúncios na televisão, jornais ou revistas, até a invasão de morros e a realização de blitz nas ruas e avenidas.  A forma de abordagem que é aplicada pela polícia em palestras escolares, assim como as informações divulgadas na mídia, incentivam a criminalização usuário, pois, tentam desestimular o uso das drogas através do medo.

O medo funciona como fator ’’protetor ‘’ da sociedade, pois evita que a pessoa vá até a droga, estratégia que funciona até certo ponto, pois, não impede que a droga vá até a pessoa.



Imagine que alguém lhe mostre uma cobra. O que você sabe a respeito dessa cobra?  - Pode te picar, é venenosa e potencialmente letal. Essas informações básicas te farão ter medo da cobra, por isso você não colocará a mão nela por livre e espontânea vontade. Agora imagine que esse mesmo alguém te diga que essa cobra não é perigosa, não pica ninguém e segura-la apenas uma vez não lhe fará mal. Você, agora confiante de que estará seguro, segura a cobra e num descuido é picado. Isso não aconteceu porque a cobra é perigosa, e sim porque você não soube manuseá-la corretamente.

Isso é o que acontece quando uma pessoa é ‘’ vítima’’ da política do medo.  Ninguém te ensinou como manusear a ‘’cobra’’, como ela se comporta e menos ainda os verdadeiros riscos que sua ‘’picada’’ pode trazer a você.

A política de conscientização visa levar a informação real e completa, para que quando esse ‘’ alguém’’ te oferecer a ‘’cobra’’ dizendo não haver riscos, você saiba como manuseá-la, que cuidados tomar, os problemas que ela poderá trazer a sua vida e, caso for  ‘’picado’’, saberá que o mesmo veneno que lhe causou mal, poderá ser a sua salvação.

A política do medo funciona até o momento que a pessoa é apresentada às drogas ou quando começa a se questionar quando à veracidade da informação que lhe foi passada.

Principalmente na adolescência, época onde o jovem passa por diversas inseguranças e começa a ter contato com diferentes tipos de pessoas com diferentes intenções, a política do medo pode ser facilmente quebrada, dando lugar ao consumo inconsciente não só de drogas leves como a maconha e o álcool (que é mais destrutivo que a maconha, tanto para o usuário quanto para a sociedade), mas também a cocaína e o crack.

A sociedade hoje tem, basicamente, 2 visões extremas sobre a maconha:
- Maconha é horrível, destrói famílias e o próprio usuário.
- Maconha não faz mal algum, e pode ser usada por qualquer pessoa em qualquer quantidade.

As duas estão terrivelmente erradas, e prejudicam tanto o usuário quanto o preconceituoso.
Pensar que a maconha é simplesmente um mal que deve ser extinto da sociedade, faz com que esqueçamos os inúmeros fins industriais e medicinais que a erva possui, assim como pensar que qualquer pessoa pode fumar em qualquer quantidade faz com que surtos psicóticos sejam desencadeados em pessoas que já tem uma pré-disposição a essas doenças entre outros problemas que o uso irresponsável pode causar.

Entender as causas, efeitos e consequências do problema faz com que possamos decidir o que é melhor para nós e, principalmente, nos ensina a perceber aonde estamos sendo influenciados a pensar e/ou agir de tal forma.

Ser ignorante é não ter domínio sobre determinado assunto. Mas se fechar para a informação é, simplesmente, burrice.

Texto escrito pelos Missionários da Erva

Nenhum comentário:

Postar um comentário