quarta-feira, 11 de abril de 2012

Aprovada a exceção para uso de Maconha medicinal e de testosterona no MMA


Depois do reboliço entre os lutadores de MMA pelo uso de maconha entre os atletas, sendo que alguns ainda pegos no doping a Comissão Atlética do Estado da Califórnia (CSAC) aprovou uma emenda aos seus regulamentos que permite exceções de uso terapêutico de substâncias proibidas para lutadores, incluindo a terapia de reposição de testosterona e o uso de maconha medicinal.

A emenda ainda tem de ser revista e votada pelo Departamento de Assuntos de Consumidores e mais tarde pela Filial de Lei Administrativa para ser oficializada, e esta votação pode levar meses ou anos para acontecer.

A emenda é modelada livremente no processo de exceção que a Agência Mundial Antidoping (Wada) usa para atletas olímpicos, e só vai ser aplicável a “medicamentos necessários para manter a saúde e não obter uma vantagem injusta sobre seu adversário em uma luta”. Quem desejar pedir a exceção será responsável pelos custos relacionados aos exames e avaliações médicas requeridos para ter o pedido aprovado, e terá de apresentar receitas e documentações que comprovem a necessidade do tratamento.

A terapia de reposição de testosterona é um dos tratamentos mais polêmicos do MMA atualmente. A própria comissão californiana suspendeu Chael Sonnen por um ano após o americano testar positivo para níveis elevados de testosterona em sua primeira luta contra Anderson Silva, em agosto de 2010. Sonnen argumentou em seu apelo que tinha recebido uma exceção para o tratamento na Califórnia, quando a comissão tinha outra equipe, por causa de uma condição médica de hipogonadismo. Sem achar nenhuma documentação que comprovasse os argumentos do lutador, o órgão reduziu sua suspensão.

A Comissão Atlética do Estado de Nevada, todavia, já concedeu exceções para o tratamento em alguns casos, como por exemplo para Dan Henderson, em sua luta contra o brasileiro Maurício Shogun no UFC 139. De acordo com George Dodd, oficial executivo da CSAC, o caso de Henderson, que passou por um processo de aprovação rigoroso, serviu como teste para a proposta de emenda. Especificamente para o uso de testosterona, os aplicantes teriam de providenciar exames de sangue até 30 dias antes da luta e logo depois para garantir que os níveis estão em margens aceitáveis.

A exceção também poderia funcionar para usuários de maconha medicinal, como Nick Diaz, suspenso pela comissão atlética de Nevada por ter metabólicos de maconha no seu organismo em exame realizado antes de sua luta contra Carlos Condit no UFC 143, em fevereiro. Na Califórnia, o uso de maconha medicinal é permitido mediante avaliação e recomendação médica. Diaz tem receita para uso no tratamento de transtorno da ansiedade social.

Nenhum comentário:

Postar um comentário