sábado, 19 de maio de 2012

Mostrando total despreparo, Comandante da PM do Amazonas diz que Marcha da Maconha é criminosa


A Marcha da Maconha, programada para acontecer neste sábado (19), às 16h, no Parque dos Bilhares em Manaus, pode não contar com o acompanhamento da Polícia Militar do Amazonas. Segundo o organizador do evento, Luan Dante, ao pedir apoio dos policiais para garantir a segurança dos manifestantes, o Comandante Geral da Polícia Militar, Almir David, se recusou a atender ao pedido e o mandou embora do comando. "Ele me levou para uma sala e me chamou a atenção na frente dos outros subordinados e pediu para que eu não colocasse mais os pés lá".

A atuação do Comandante de Manaus mostra principalmente que a corporação está passando por cima das determinações da Suprema Corte deste País, mostrando claramente que ainda existe resquícios de coronelismo neste imenso Brasil. Definitivamente a polícia militar não tem o poder e nem a autoridade de proibir a Marcha da Maconha.

Em entrevista ao Portal D24AM, o comandante confirmou a discussão e disse que não compactua com o ato e que "a polícia militar é contra (a manifestação) por ser um movimento criminoso”. Questionado sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que liberou a realização de passeatas que defendem a descriminalização das drogas, o comandante afirmou que vai aguardar uma resposta do setor jurídico da PM, que vai avaliar a situação, para que seja feita a segurança no local. "Caso não seja autorizado a ida dos policiais, estaremos nos pontos de trabalho aguardando a ligação caso ocorra alguma ocorrência", disse, mostrando mais uma vez o retrato de quão são despreparadas as corporações da PM pelo Brasil.

A ordem para liberação da passeata tem como apoio a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considera que esse tipo de manifestação não é apologia ao crime e sim a liberdade de expressão, que está prevista na Constituição e que ainda sim algumas pessoas acham que podem impedir este tipo de manifestação.

Por medida de segurança o organizador do evento pediu apoio do setor jurídico do evento e pretende oficializar as ofensas com um boletim de ocorrência. "Com esse abuso de poder em me destratar com um pedido simples de segurança eu perdi totalmente a fé de que a polícia seria amiga do cidadão, mas espero contar com o apoio mesmo após ter passado por isso", afirmou.

O evento será realizado no próximo sábado (19) no Parque dos Bilhares com a presença de artistas locais, ativistas do movimento Marcha da Maconha e de outros estados e organizações civis.

Um comentário:

  1. ESTE É UM ATO DE INSUBORDINAÇÃO PARA COM A LEI E A ORDEM CONSTITUCIONALMENTE GARANTIDOS ATRAVÉS DAS MANIFESTAÇÕES DO STF.

    AlÉM DO MAIS É UM INSULTO AO ORGANIZADOR DA MANIFESTAÇÃO Q ESTÁ APENAS EXERCENDO O SEU DIREITO GARANTIDO POR LEI.

    Se tivesse acontecido comigo, eu me dirigiria primeiramente ao GOVERNADOR DAQUELE ESTADO PARA COMUNICAR A INSUBORDINAÇÃO DO OFICIAL PERANTE A LEI, em seguida, comunicaria ainda À PROPRIA CORREGEDORIA DA POLICIA MILITAR, INTIMANDO COMO TESTEMUNHAS TODOS OS MILITARES PRESENTES e TESTEMUNHAS DA ESCULACHAÇÃO PÚBLICA PELA QUAL PASSOU O ORGANIZADOR, em seguida, iria ainda ao MINISTÉRIO PÚBLICO, e, finalmente mandaria carta até mesmo ao STF, para que alí se soubesse como as más e ardilosas otoridades recebem suas LEIS.

    SEM PREJUÍZO DE AÇÃO CÍVIL.

    ResponderExcluir