sábado, 28 de julho de 2012

Tráfico de drogas em Pirassununga aumentou em 65%


A proibição das drogas iniciada e propagada pelo mundo pelos Estados Unidos é um tremendo fracasso, pois ela nunca na história de décadas conseguiu diminuir a demanda ou a oferta, contudo, ao contrário disso, serve de grande alicerce financeiro  para os cartéis de drogas, que prosperam neste mercado negro investindo em armamento bélico, causando um grande derramamento de sangue nos diários embates entre Estado e traficantes.

Exemplo claro desta perspectiva são os novos dados divulgados pela  Secretaria de Estado da Segurança Pública em São Paulo para a cidade de Pirassununga. As estatística apontam um grande crescimento no tráfico de drogas. Os números do primeiro semestre já ultrapassaram em 65% as ocorrências de todo o ano passado e mesmo assim não se consegue abaixar a oferta das chamadas substâncias entorpecentes.

De janeiro a dezembro de 2011, foram registradas 58 ocorrências de tráfico de drogas em Pirassununga. Só no primeiro semestre deste ano, foram 96 ocorrências, mostrando um aumento quase que absurdo da ação de traficantes.

Segundo o delegado Francisco Oliveira Lima os números não representam um aumento no volume de circulação de drogas. “Não é um aumento e sim o resultado de um trabalho bem desenvolvido.” Segundo ele, em 2011 foram apreendidos em torno de 35 quilos de entorpecentes e, só no primeiro semestre deste ano, 330 quilos. Contudo, o delegado esquece, que mesmo com esta grande apreensão, continua a existir oferta das mesmas substâncias em abudnância.

A Polícia Militar de Pirassununga disse as denúncias anônimas estão ajudando no trabalho de combate às drogas. Em junho, foram apreendidos crack, maconha e pinos de cocaína, além de dinheiro e armas. Também no mês passado, a Polícia Rodoviária encontrou mais de 300 quilos de maconha dentro de um carro.

Num único bairro foram feitos 70 flagrantes de tráfico só neste ano. Segundo a polícia, a queda nos índices de roubos e furtos na cidade pode estar ligada a essas prisões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário