segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Pugilista mexicano admite uso de maconha em carta aos fãs


Depois de perder o cinturão dos pesos-médios do Conselho Mundial de Boxe (WBC, sigla em inglês) para o argentino Sergio Martínez, o mexicano Julio César Chávez Jr. foi flagrado na última quarta-feira no exame antidoping, que identificou maconha em seu sangue. Neste sábado, o ex-campeão mundial admitiu o uso da droga.Como o uso da maconha ainda é tratado como uma atitude leviana, mesmo que esta não apresente nenhum ganho para o atleta, a tendência é que o pugilista seja mesmo punido, como ele mesmo admite em um comunicado veiculado pela imprensa do México.

Em carta publicada em sua conta em uma rede social e reproduzida pela imprensa mexicana, o pugilista pediu desculpas e afirmou que assume "plenamente a responsabilidade de seus atos, assim como as consequências por eles". E ainda garantiu que "qualquer explicação ou justificativa que tente dar será pouco ou nada convincente".

Quero me desculpar com todas aquelas pessoas que se sintam decepcionadas ou afetadas pelo meu comportamento. Só eu sei as causas e só eu posso enfrentá-las - disse o lutador no texto, que foi redigido em tom de desculpas aos fãs do atleta.

Filho da lenda do boxe Julio César Chavez, o mexicano garantiu que o caso vai servir para um recomeço na sua vida. No entanto, julgar um atleta e puni-lo apenas pelo uso recreativo da maconha é completamente incabível, já que se fosse uma taça ou até mesmo uma garrafa de vinho, ninguém ficaria tão espantado com a atitude do pugilista.

"Hoje nasce um novo Julio César Chávez. Começa uma etapa em minha carreira que a redimensionará. Me prepararei física e mentalmente para alcançar novos objetivos, entre os quais, de cara, a revanche com Sergio Martínez", finalizou o boxeador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário