terça-feira, 16 de outubro de 2012

Após declarações favoráveis ao debate sobre a descriminalização da maconha, Ministro da Educação francês causa polêmica


Ontem o ministro francês da educação, Vicent Peillon, causou uma polêmica ao dizer que é importante um debate sobre a descriminalização da maconha
Apesar da atitude franca do parlamentar, o seu desejo não caiu bem para a oposição, que se usou de uma questão importante para fazer politicagem e criticar a situação.

O ministro da Educação, que pertence à ala esquerda do Partido Socialista francês no poder, considerou a descriminalização  no domingo (14) à noite durante uma transmissão que a descriminalização da maconha pode ser uma forma de lutar contra o tráfico de drogas que atinge os subúrbios populares, e expressou seu desejo de que se debata a respeito.

"A questão está levantada, e eu desejo que se possa avançar serenamente" neste debate, disse Peillon.
O chefe de Governo contradisse nesta segunda-feira (15) seu ministro da Educação, mas nada conseguiu silenciar as críticas da oposição de direita sobre a "cacofonia" da equipe governamental.

O presidente François Hollande já havia descartado a hipótese da descriminalização, defendida por diversas personalidades de esquerda e já levantada em junho pela ministra de Habitação, a ecologista Cécile Duflot.

François Fillon, ex-primeiro-ministro de Nicolas Sarkozy e um dos principais dirigentes do partido de direita UMP, considerou nesta segunda-feira que as declarações de Peillon são "irresponsáveis e perigosas".
Fillon ironizou ao mesmo tempo a "cacofonia governamental", afirmando que é uma prova do "amadorismo" do governo. Jean-François Copé, secretário-geral da UMP, intimou François Hollande a "resolver" o debate imediatamente. A resposta veio do primeiro-ministro. "Não haverá descriminalização da maconha", afirmou em um comunicado.

Contudo, mesmo que ainda a ideia não esteja sendo bem aceita pelo presidente e pela oposição, a descriminalização da maconha é um debate atual e que precisa ser discutido em cada país e mundialmente, já que a guerra às drogas e a repressão imposta atualmente se mostra muito mais nociva de que o próprio uso da maconha.

Países europeus como Holanda, Espanha, República Tcheca, Suiça, entre outros, conseguiram diminuir não só a violência, mas conter o avanço do abuso de substâncias entorpecentes, justamente por tratarem a questão pelo lado da redução de danos, que passa pela descriminalização até o tratamento em clínicas especializadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário