sábado, 20 de outubro de 2012

Guerra às drogas faz mais duas vítimas na Colômbia


A guerra às drogas é muito mais prejudicial para a sociedade do que a utilização de qualquer substância entorpecente em si. Com a proibição e os investimentos governamentais em repressão, a guerra se tornou cada vez mais violenta e mais vítimas foram e continuam sendo feitas pela manutenção desta política fracassada, corrupta e falida.

Nesta semana, mais um episódio sangrento e lamentável aconteceu na Colômbia, envolvendo as FARC ( Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia ) e o exército do país, que terminou com duas mortes, após o bombardeio aéreo na Costa do Pacífico, no qual também foram localizadas um grande carregamento de maconha e cocaína.

Os militares acreditam que o acampamento, da Companhia Ever Ortega da Frente 57 das Farc, estava ocupado por 16 pessoas no momento do bombardeio. O bombardeio foi divulgado um dia depois que o Governo e as Farc, a guerrilha mais antiga do continente, lançaram oficialmente em Oslo nova tentativa de processo de paz.

Sete fuzis, um lança-granadas, 16 granadas, material explosivo e 120 quilos de cocaína e maconha foram encontrados depois no local, situado no setor Cabo Marzo, no departamento (província) de Chocó, no Norte, perto da fronteira com o Panamá. “As Farc não só usam o local para levar droga para o Panamá, como cobram de outras organizações por seu trânsito” de entorpecentes, ressaltou Amaya.

O Governo colombiano acusa os rebeldes de cultivar folha de coca em territórios sob sua influência, de processar a droga em laboratórios e de fazer alianças com grupos criminosos colombianos e cartéis mexicanos para sua exploração.

A guerrilha assegura que cobra unicamente impostos de quem extrai a folha de coca das áreas onde está presente. A problemática das drogas ilegais é um dos pontos do processo de paz que a guerrilha e o Governo vão começar a negociar em novembro em Cuba. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário