sábado, 3 de novembro de 2012

A maconha deve ser legalizada pelo bem da sociedade


Paralelamente ao interesse moralista de banir a maconha, sempre houve também o interesse econômico da indústria de tecidos sintéticos, pois disputava o mercado com o cânhamo. Além disso, punindo a maconha e seus usuários, os americanos poderiam em si ‘declarar uma guerra’ contra os imigrantes mexicanos, que em sua grande maioria se utilizava da maconha.  Foi assim que, apenas quatro anos depois da revogação da Lei Seca, os EUA aprovaram a Lei Fiscal da Maconha que, na prática, impedia o uso da cannabis no país.

No Brasil, a maconha já havia sido incluída no rol das substâncias proibidas em janeiro de 1932, estimulado por um preconceito racial contra seus principais usuários: os negros, assim como os estadunidenses fizeram com os mexicanos.

Diante da proibição, o que se viu foi um grande crescimento dos carteis de drogas, pois a proibição deixou a comercialização destas substâncias, como a maconha, altamente lucrativa para os traficantes, que por sua vez, começaram a ser armar belicamente, para comandar e defender seus pontos de venda.
Além deste fator terrível, que causa mortes e fomenta uma verdadeira carnificina, outros motivos para a legalização da maconha devem ser levados em consideração, como por exemplo, o fator preponderante  de que 2/3 da população mundial já experimentaram maconha.

Se formos analisar as fibras do Cânhamo, vemos que é muito mais resistente que o algodão e muito mais barato, o que poderiam tornar as roupas mais baratas e melhores; a Maconha pode ser utilizada como biocombustível; A maconha, quando utilizada para fins recreativos, não altera a personalidade nem o discernimento lógico do usuário. Diferentemente do álcool, da cocaína, do crack, considerados drogas pesadas, a maconha não estimula ninguém a fazer loucuras, cometer delitos, nem atentar à vida de ninguém.

Para finalizar, a maconha já deveria ser legalizada há muito tempo, pois a sua proibição é prejudicial não só aos usuários, mas à toda a sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário