quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Proposta de regulamentação da Maconha no Uruguai novamente é tema principal das mídias


O projeto de regulamentação da maconha novamente ganha destaque no Uruguai. Nesta semana, o presidente do país, José Mujica deu novas declarações favoráveis ao plano. Para o mandatário uruguaio, a regulamentação da maconha vai servir como uma ferramenta de desmantelamento do tráfico e ao mesmo tempo irá tirar os usuários do ciclo da criminalidade.

Mujica diz que sua intenção é evitar que os consumidores de maconha lidem com vendedores que os induzam a experimentar pasta à base de cocaína, uma droga que, afirma, "está apodrecendo a garotada mais simples e mais pobre".

"Além disso, cada vez tenho que gastar mais dinheiro com polícia, com prisões e com as consequências. E não tenho dinheiro para cuidar dos doentes", disse à BBC Mundo.

Sua ideia a respeito da maconha, conta, é identificar "quando o sujeito passa dos limites e dizer a ele: 'Meu filho, você tem que se internar ou se cuidar'. E não tê-lo no mundo clandestino e tratar como um delinquente um sujeito que tem uma dependência e, no fundo, tem uma doença. Não posso presentear doentes ao narcotráfico", diz.

O presidente admite, porém, que sua proposta cria resistências na sociedade uruguaia. "O Uruguai é um país pacato, de velhos. É um país de muitos idosos e de tendência conservadora...", diz. Para ele, quando se fala em regularização da maconha as pessoas reagem "como se fosse uma coisa do diabo".

"É um exagero. Na realidade, a maconha foi usada no descobrimento da América. A maconha era usada para fazer as velas e para fazer a estopa para tapar buracos nos barcos. Ela acompanhou toda a epopeia no Novo Mundo. Merece que a tratemos com mais respeito e que a conheçamos muito mais", diz. "Estamos lutando contra o preconceito", afirma.

Legisladores opositores expressaram seu rechaço à iniciativa do governo, que pode ser aprovada somente com os votos da Frente Ampla, a coalizão governista, já que esta tem maioria parlamentar. Hoje a lei uruguaia permite o consumo de maconha, mas proíbe sua comercialização.

O projeto de lei prevê criar um organismo que regularia o mercado local de maconha e definiria como o governo dará licenças ao Estado ou a indivíduos para produzir, distribuir e vender a droga, segundo o deputado governista Sebastián Sabini.

O texto prevê a venda de no máximo 40 gramas mensais por adulto registrado e também admite o cultivo para consumo individual em casas (até seis plantas por residência) e clubes (com até 15 membros e até 90 plantas).

Mujica afirma que seria possível "rastrear" a maconha vendida no Uruguai para evitar que o produto seja exportado a outros países.

"Eu posso vender a você um número X de cigarros, e se eles aparecerem no Brasil, você é responsável", observa Mujica. "Não queremos sacanear com os vizinhos, nem posso me dar ao luxo de (acolher) os viciados que venham de lá para cá. Não, estaríamos fritos com isso, porque isso nunca acabaria", diz.

Um comentário:

  1. Será que a gente vai poder fazer um turismo verde no Uruguai?

    ResponderExcluir