terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A maconha medicinal cresce a cada dia


A maconha medicinal vem crescendo a cada dia. Mesmo que muitos ainda achem polêmica tratar algumas doenças com a maconha, cresce o número de pesquisas a respeito do potencial médico de substâncias presentes na planta. Câncer, glaucoma e esclerose múltipla são algumas das doenças para as quais o uso terapêutico da droga já é permitido em 19 estados dos Estados Unidos. O último deles foi Massachusetts, que aprovou o uso em plebiscito durante as eleições americanas. A ciência, agora, caminha para encontrar outras aplicações para os componentes ativos da maconha.Atualmente, o estado de Washington e Colorado legalizaram a maconha, o que quer dizer que maiores de 21 anos também podem se utilizar para maconha para fins recreacionais.

O THC é responsável pelos efeitos conhecidos da maconha, como a vermelhidão dos olhos e alteração na percepção do tempo. Ele é indicado para náuseas e vômitos, induzidos pela quimioterapia do câncer, e dores neuropáticas. Já o canabidiol combate alguns dos efeitos adversos do THC e age como ansiolítico. 

Um estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que essa substância diminuiu a ansiedade de pacientes com fobia social. “Ele pode ser uma alternativa como medicação para a ansiedade. Ele não causa dependência, tolerância, nem sedação como outros remédios disponíveis que tratam o problema”, diz o psiquiatra e professor do departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da USP José Alexandre de Souza Crippa. Ele destaca que o canabidiol não causou nenhum efeito adverso nos pacientes do estudo.

Entre as novas pesquisas, Crippa cita as que mostram os efeitos da substância como anti-inflamatório, que poderia ser usado para a asma, e como neuroprotetor, podendo favorecer o tratamento das doenças de Parkinson e, talvez, Alzheimer. “Estamos testando na dependência do tabagismo e temos um estudo importante, em parceria com a Unifesp, para testar também na dependência de crack”, acrescenta.

Entre os países que liberam o uso médico da maconha estão Estados Unidos, Itália, Canadá, Espanha, Israel e Reino Unido. Na Holanda, existem produtos fabricados com a própria planta in natura, cultivados pelo Ministério da Saúde e distribuído pelas farmácias. Nesse país, são preparados cigarros a partir de receitas médicas controladas. No Brasil, a legislação não permite o uso medicinal da planta cannabis nem de medicamentos que contenham em sua composição extratos, mas prevê a possibilidade de autorização para casos específicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário