quinta-feira, 14 de março de 2013

Álcool é responsável por 62% das internações por drogas


Além do dano social,  a droga que mais gera custo, por internações, para a  saúde pública não é a maconha, a cocaína ou o crack, mas um velho conhecido: o álcool. Nos 11 primeiros meses de 2012, mais de R$ 1,13 milhão saiu dos cofres públicos baianos para custear  as internações por abuso do álcool, de acordo com o Datasus.

O valor é R$ 375 mil a mais  do que  total gasto nas internações por todas as outras substâncias psicoativas que é de  R$ 755 mil. Segundo a secretaria estadual de saúde, os casos de internações por álcool e drogas na Bahia se manteve estável nos últimos quatro anos - à exceção  de uma queda apresentada em 2012. O dado disponível até novembro registra 1.897 internações, contra  2.500 em 2011.

O abuso do álcool  responde por 62% das hospitalizações por drogas nos últimos três anos. Somado às hospitalizações pelo uso de drogas múltiplas,  respondem por quase 90% das internações por intoxicações no SUS.

A proporção elevada, segundo especialistas, reflete o consumo habitual de substâncias etílicas. Mais da metade da população brasileira adulta (52%) consome bebidas alcoólicas, contra 3% dos usuários de maconha e 2% de cocaína, conforme indica levantamentos da Secretaria Nacional Antidrogas e o Nacional de Álcool e Drogas.

Para o diretor do Centro de Informações Antiveneno (Ciave, centro de referência em toxicologia estadual),  Daniel Rebouças, os números podem ser ainda maiores. "Os usuários só procuram atendimento médico quando algo 'sai do normal'. Normalmente, passa despercebido até nas unidades médicas", explica.
Ele conta que, apesar do centro possuir um atendimento especializado em intoxicação, os casos de  abuso de drogas que chegam são ínfimos: apenas 2,6% do total. "É somente a pontinha do iceberg", diz.

Condutas - O fato do álcool ser uma droga lícita e socialmente estimulada agrava  o quadro, segundo explica a psicóloga e socióloga Andrea Domanico. Segundo ela, há medidas simples que poderiam ser adotadas para evitar intoxicações, como alternar o uso com um copo de água, para evitar os danos causados pela desidratação da bebida.

Outro problema são as associações. A mistura do álcool com a cocaína, por exemplo, produz o cocaetileno, substância com sintomas graves e  pouco conhecidos.

O professor Luís Rodrigues (nome fictício), 27 anos, começou a beber mais tarde do que o usual, aos 17 anos. Mas, mesmo virando dependente da maconha e da cocaína logo depois, considera o álcool o mais difícil de largar.

Experiências -  "A bebida foi a substância que mais me fez fazer bobagem. É mais difícil de parar também, devido aos amigos", conta. 

Com ajuda dos Narcóticos Anônimos, ele consegue controlar a cocaína, "o mais prejudicial pelo domínio que exerce", segundo ele, mas a maconha não tem planos de deixar. "Gosto da sensação".
Já o empreendedor Fábio Araújo, 30 anos,  conseguiu superar todas as drogas e se mantém "limpo" há dois anos.

A bebida entrou na sua vida aos poucos, ainda criança, mas foi apenas uma das drogas que rodearam sua juventude. A lista é grande:  maconha, pílulas, cola, benzina, LSD, cocaína, pitiro (maconha com crack) e o próprio crack. "A cocaína era o que eu mais usava, pois combinava mais com o álcool. Dependendo da festa não tinha 'discriminação', mas nunca faltava o  principal: cigarro e cachaça", diz.

Há quatro anos,  ele  resolveu parar.  "Me sentia dominado por algo inferior a mim. Gostava de usar e não de ser usado", diz.

Um comentário:

  1. por estes e varios outros motivos sou a favor da liberaçao do canabis pois assim tambem se da um fim n trafico de drogas

    ResponderExcluir