domingo, 22 de dezembro de 2013

Vídeo mostra consequências de detenções por posse de maconha em Nova York

O vídeo de hoje conta uma história muito triste, porém de teor muito importante que deve ser assistido por todas as famílias, para poderem abrir um diálogo aberto sobre o que há muito tempo se faz um tabu, totalmente desnecessário, diga-se de passagem. O vídeo conta a história de um professor de artes  nova-iorquino da escola pública de Manhattan que foi preso por posse de maconha, Alberto Willmore. Ele conta como sua vida foi abalada depois que os policiais agressivamente o apreenderam e o acusaram por posse de maconha. Sr. Willmore imediatamente perdeu o emprego de professor , passou quase dois anos lutando contra o caso em tribunal,e ainda foi penalizado pelo seu empregador, o Departamento de Educação.
Os nova-iorquinos são muito familiarizados com histórias como a do Sr. Willmore . Desde 2002, cerca de 500.000 pessoas foram presas em todo o estado de Nova York por posse de maconha - a grande maioria dessas prisões, 440 mil, ocorreram na capital, Nova York City. Só na cidade em 2012, haviam cerca de 40.000 destas prisões, ultrapassando o total de detenções por maconha em NYC de 1981 até 1995. O custo para os contribuintes é de pelo menos US $ 75 milhões por ano, e mais de US$600 milhões na última década. Um profundo desperdício de dinheiro. Agora Nova York está cogitando legalizar a maconha, assim como outros estados dos EUA vêm fazendo. Agora, debatendo com toda sua família de forma aberta e, principalmente sensata, o que é mais racional; destruir a vida de um cidadão como esse, professor de escola pública que cumpre suas obrigações de cidadão de forma digna e honesta, simplesmente por ele fazer o uso de Cannabis? Ou, deixar que ele continue sendo o cidadão que é, contribuindo para a sociedade e sendo honesto? E podendo consumir o que gosta, lembrando que ele com certeza não faz barbaridades que algumas pessoas que saem no fim de semana para o bar encher a cara fazem, como arrumar brigas ou matar alguém atropelado.  Então é questão de fatos, vale ou não reformar essas leis sobre drogas? Mas a comissão do Senado que iria julgar o novo código penal, assim o fez, mas retirou da pauta os "assuntos polêmicos", sinceramente, um governante que não pode abrir debate sobre "assuntos polêmicos", não é capacitado para ocupar o cargo que exige a função que ele exerce. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário