segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Cultivadores de maconha no Colorado estão considerando mudança para Flórida

Dan e Cheryl Sullivan possuem uma casa na comunidade Waterlefe em Manatee County, na Flórida, onde poderiam passar os seus dias jogando golfe ou de barco, se quisessem. 

Mas, nos últimos cinco anos, os Sullivans têm vivido em Glenwood Springs, Colorado, uma pitoresca cidade montanhosa localizada entre Vail e Aspen. 

Lá, dias são gastos no cultivo, processamento e venda de maconha - cerca de 1.500 plantas são cultivadas por vez. 

Com o fato da Flórida estar levando a questão da maconha medicinal para referendo, o casal está procurando ir para casa para poderem ter o seu próximo empreendimento. 

A agricultura não é barata, no entanto. Sua conta de luz só vai chegar a US $ 15.000 por mês este ano, o resultado das luzes de 1000 watts, ar condicionado e uma abundância de equipamentos para ajudar a simular a natureza e proporcionar às plantas de cannabis as condições adequadas, o que não seria necessário na ensolarada Flórida. 

De acordo com a lei do Colorado, que permite tanto a maconha medicinal e recreativa, os Sullivans planejam começar a utilizar o segundo andar de sua loja em Glenwood Springs para vender maconha recreativa, que ´vendida pelo dobro do preço da cannabis medicinal. 

O negócio foi tão bom que eles estão procurando pelo menos um site de varejo adicional para lidar com a sua produção, o que eles estão se expandindo a 1.000 quilos de maconha seca, curada e de alta qualidade anualmente. 

"Isso nos colocaria em uma trilha para a receita anual de US $ 4 milhões por ano", disse Dan Sullivan. 

Se os eleitores da Flórida, em novembro aprovarem a Alteração 2 na cédula, a maconha medicinal será permitida no Estado da Flórida, juntando-se a duas dúzias de outros estados. 

Não há como negar que o negócio da maconha legal, seja ela recreativa ou medicinal, dá muito dinheiro, gera renda para toda uma comunidade, cidade e estado, além de fazer com que não se gastem milhões em operações policiais desnecessárias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário